Mini Cooper Clubman 2.0 150

Texto: Carlos Moura / Fotografia: José Bispo
Data: 25 Junho, 2018

Entre os argumentos do Mini Cooper D Clubman destaque para a carroçaria de seis portas, cinco lugares, a motorização de 150 cv e os baixos custos de utilização.

Capitalizando uma imagem jovem e irreverente, a Mini tem vindo a alargar a sua gama de produtos, introduzindo novas variantes para chegar a clientes diferentes, que não abdicam de espaço e conforto, designadamente para viagens mais longas. Entre esses potenciais clientes encontram-se as empresas, que representam cerca de 40% do mercado automóvel.

A evolução da gama permitiu à marca britânica, detida pelo BMW Group, lançar novos derivativos. Uma das propostas consiste no Mini Cooper D Clubman 2.0 de 150 cv, que está disponível a partir de 32 397 euros. Este posicionamento de preço permitiu o seu enquadramento no escalão de tributação autónoma abaixo dos 35 mil euros.

Do Mini original de três portas, a versão Cooper D Clubman mantém alguns dos traços estilísticos da gama e pouco mais. Com um comprimento de 4,25 portas, uma carroçaria de seis portas, um habitáculo com cinco lugares e uma bagageira com uma capacidade de 360 litros, que pode chegar aos 1250 litros com o rebatimento dos bancos traseiros, este modelo tem tudo para desagradar alguns “puristas” da marca britânica e tudo para agradar a um novo tipo de público que procura um veículo divertido de conduzir, mas com uma melhor habitabilidade.

A longa distância entre-eixos de 2,67 metros e o recuo das rodas traseiras para a extremidade da carroçaria, como no Mini “tradicional” permitiu a criação de um habitáculo que oferece cotas generosas para todos os ocupantes, sobretudo os do banco traseiro, que dispõem de espaço para joelhos, ombros e distância da cabeça ao teto.

Os materiais utilizados são de qualidade, como seria de esperar num compacto “premium”. O equipamento também é bastante completo, não faltando o volante desportivo multifunções em pele, o ar condicionado bizona, o computador de bordo, o rádio Mini Visual Boost com ecrã de 6,5”, os sensores de estacionamento traseiros, os sensores de chuva e de luz ou o cruise control com função de travagem, entre outros.

Em termos mecânicos, o Mini Cooper D Clubman conta com um motor diesel de 2,0 litros, que desenvolve uma potência de 150 cv às 4000 rpm, sendo apontado como o mais equilibrado de toda a gama. Destaque para a elevada de disponibilidade de binário a baixas rotações, que permite uma utilização muito agradável em ambiente urbano, dispensando o recurso frequente à caixa manual de seis velocidades, que, de resto, é excelente, não só pelo escalonamento como pela precisão.

O cárater desportivo da Mini não sai penalizado no Cooper Clubman D 2.0, uma vez que esta motorização de 150 cv – e em combinação com um peso em vazio de 1395 quilogramas – possibilita uma aceleração dos 0 aos 100 km/h em 8,6 segundos. Naturalmente que existem outras motorizações que oferecem maior performance no capítulo dinâmico, mas muito dificilmente seria possível enquadrar o preço de aquisição no escalão de tributação autónomo abaixo dos 35 mil euros.

No que se refere ao conforto há que salientar o trabalho desenvolvido pelos engenheiros da marca na afinação das regulações de amortecimento das suspensões que permitem digerir com eficácia as irregularidades do piso.

No que se refere ao consumo de combustível, a marca anuncia uma média combinada de 4,1 l/100 km, embora em condições reais as medições da Turbo tenham indicado um valor de 6,2 l/100 km.

O consumo de combustível é um dos fatores que contribuem para um custo total de utilização de 26,90 euros por cada cem quilómetros percorridos, de acordo com dados da consultora FleetData, para um período de quatro anos ou 80 mil quilómetros. A boa imagem da marca Mini traduz-se favoravelmente numa menor desvalorização e no valor residual que neste caso é de 51%, estando em linha com muitas propostas do segmento premium. No final do período em análise, este modelo ainda deverá ter um valor de mercado de 16 520 euros. Para a obtenção daquele baixo custo total de propriedade para o período em questão contribui igualmente a despesa com a manutenção (1531 euros) e combustível (4120 euros).

Referência, ainda, para a renda proposta pela BMW Financial Services para um contrato de renting com a duração de 48 meses ou 80 mil quilómetros, com um valor de 591,81 euros, que já inclui IVA.

Para o mercado empresarial, a Mini também propõe o Clubman 4Business, com preço a partir de 24304 euros, que tem por base a versão One D, com motor diesel de três cilindros de 116 cv e menos equipamento.

Partilhar